Artigos Quadrinhos

Quebrando a Quarta Parede #06: Ravena

Membra dos Titãs: conheça a história da mestiça Ravena!

Sempre a boa menina devo ser. Encobrir, não sentir! Nada como parafrasear a música de Frozen para me descrever, é necessário muito auto controle de minha parte para reprimir o lado demoníaco existente. Contudo, eu não contenho nada que remete à fantasia existente na princesa Elsa do filme da Disney, já que eu, Ravena, sou uma das personagens mais sombrias da DC Comics. Como é nítido, a origem do meu nome remete a palavra corvo escrito em inglês, tomando essa palavra como base, é possível atrelar minha personalidade com o clima de uma das maiores obras da história da literatura mundial: O Corvo de Edgar Allan Poe. Minha primeira aparição remete ao ano de 1980, sido criada pelo escritor Mary Wolfman e desenhada pelo ilustrador George Pérez.

Posso ser descrita como uma empata, já que possuo os poderes de teletransporte e controle de almas. Esses poderes estão associados a minha origem, visto que me constituo uma mestiça: sou filha da humana Arella e do demônio interdimensional chamado Trigon (o meu pai arquitetou meu nascimento para me utilizar como um portal afim de conquistar a Terra). Para impedir o plano almejado pelo meu progenitor, fui criada em uma dimensão chamada Azarath e nessa dimensão aprendi a controlar minhas emoções as quais integram a principal fonte de meu poderio. Contudo, tudo começou a desandar quando completei 16 ciclos de vida, visto que minha linhagem sombria começou a dar indícios de ruptura de estado latente. Outrossim, o fato de saber que Trigon iria invadir a Terra não auxiliou muito. Para impedir tal ação, fui a procura da Liga da Justiça, contudo Zatanna tomando conhecimento de minha conexão sanguínea me definiu como uma potencial espiã. Consegui ajuda na figura de um grupo novo de super-heróis denominados Novos Titãs (Robin, Moça Maravilha, Ciborgue, Mutano, Estelar e Kid Flash eram os componentes) e assim conseguir excomungar Trigon de voltar para a dimensão a qual deveria selá-lo.

A passagem supracitada forma minha primeira passagem nos quadrinhos da DC Comics. Primeira passagem? Sim, minha história na linha cronológica da editora pode ser dividido em três vidas. A primeira foi a supracitada, a segunda se manifestou na presença da alcunha de Ravena Branca e a terceira e mais atual tem como principal caráter o meu teor mais jovial. E não é só de momentos ranzinzas e sombrios que são associados a minha pessoa, para te instigar a ler minhas história, te contarei um segredo: também sou capaz de beijos sinceros em moços de pele verde e com poderes de metamorfose!

Quebrando a Quarta Parade, sempre às terças-feiras, trazendo um herói diferente para você!

 

 

Ângelo Valentin
Um poeta se aventurando como crítico de cinema!